17 abril 2010

♪ ♫ Em sonho vejo este passado ♪ ♫ (♥)

Algumas pessoas que eu conheço e que lêem o blog acharam que o último post era pra pessoa diversa da qual eu escrevi, e duas delas são pessoas que me conhecem relativamente bem... então eu resolvi organizar os sentimentos, e organizar os homens da minha vida, para dar a cada um o que cada um merece!


Merecer não é bem a questão, significar é o verbo, pq na realidade eu acho que todos mereciam mais, muito mais de mim, mereciam total entrega, essa coisa aí que ainda não sei bem como fazer, embora eu queira ardentemente...

Então lá vai:

Vou apenas escrever a letra inicial do nome/apelido para não escancarar de vez quem foram os homens da minha vida, e vou tentar colocar numa ordem cronológica, pra ficar coerente!

J = Foi meu primeiro sentimento platônico, me encantei no jardim de infância, e ele foi meu primeiro beijo na 6ª série, depois do beijo desengonçado eu me desencantei... não repetiria a dose, até mesmo pq nem sei como a criatura está hoje em dia! (Ele só signigica algo pq foi o início de um padrão... sentimentos platônicos!)

B = Minha maior paixão platônica não platônica! Me apaixonei aos 13 anos, ele era sobrinho da minha pediatra, na época era do tipo ‘menino rebelde, revoltado e péssima companhia’, ele deu forma ao meu padrão masculino: moreno, pele clara, nariz perfeito, olho puxado, olhar firme e meio desconfiado, cabelo liso preto e longo! Tivemos um sei lá o que até meus 15 anos, quando perdemos o contato por um looongo tempo... naquela época não tinha beijo, eram olhares e muitas 'pecuinhas'. Uma vez ele me deu uma rosa quando eu estava indo para os 15 anos da minha prima! Eu casei, tive o meu filho, me separei e então reencontrei-o novamente, depois de quase 15 anos (e essa história eu já contei aqui!), vivemos quase tudo o que não tínhamos vivido, deveria ter me entregue de corpo e alma, mas foi meio a meio, ainda assim foi bom... repetiria a dose!

J = Para esquecer o B eu conheci o J, nunca esqueci o B, mas me diverti com o J, ele foi o encanto da adolescência rebelde, também nos separamos e nos reencontramos alguns anos mais tarde e que tivemos um 'remember'... não gosto do beijo dele, mas ele foi especial! Repetiria a dose, e pasmem (...), deixa pra lá, ficaria chato eu fazer essa revelação aqui!

R = Meu primeiro namorado oficial, eu disse OFICIAL! Os pais dele foram importantes na minha vida, foram pessoas que eu gostei muito, admirava, e queria sempre por perto, a mãe é viva, o pai infelizmente não! Não repetiria a dose! Fui a primeira dele! O vice-versa não é uma premissa verdadeira! Aliás, meu primeiro não foi alguém importante e portanto não será citado! Não repetiria a dose!

Outro R = Eu fui tão importante pra ele que isso torna ele importante pra mim, somos amigos, cúmplices, mas a esposa dele não pode saber, ela morre de ciúmes, e de ciúmes infundado pq ele não ganha repeteco... somos colegas de trabalho há 10 anos!

Outro R = O mais importante de todos, o pai do meu filho, aquele que tem meu amor incondicional, ele é minha fortaleza, eu sou a desilusão da vida dele, por ele eu já arrisquei minha vida, eu gostaria de ser apaixonada por ele, gostaria que meu amor não fosse apenas fraternal, com ele eu aprendi a amar, e aprendi que é sempre amor mesmo que mude! Gostaria de saber repetir a dose, mas não consigo!

S = O ausente! Foi meu amigo, meu ombro, minha loucura consciente e inconseqüente, me ensinou a ficar de ‘bico mais calado’, me ensinou que é preciso haver entrega, pq nada se perde e tudo se ganha, foi meu suporte por um bom tempo, cuidou bem de mim, mas NUNCA tivemos nada, pq eu não soube me entregar, fui egoísta, e aprendi tarde o que ele me ensinou, mas aprendi! Hoje ele é um espaço vazio... se pudesse eu faria diferente, e teria a tal dose!

O pai da minha filha não foi alguém importante, por isso também não será citado!

Faz tempo que não tenho alguém especial, e acho que faz muito tempo que não sou especial pra alguém, isso me deixa... acho que isso me deixa triste, embora eu tenha demorando uns 5 minutos para escrever essa linha, não gosto de revelar que a solidão de certa forma me deixa triste... e não falo de companhia constante, falo de espaço vazio no coração!

Era isso!

Não quer dizer que outras histórias não tenham valor pra mim... mas essas são as histórias das quais eu tenho carinho absoluto!

Acabei de fazer um pedido, eu quero que outra letra faça parte das histórias com carinho absoluto, tomara, amém!

Ao som de:

♪Você marcou na minha vida
Viveu, morreu
Na minha história
Chego a ter medo do futuro
E da solidão
Que em minha porta bate...♪

Nenhum comentário: